As consequências de ter dentes tortos

 

 

A maioria das pessoas buscam realinhar os dentes por uma questão de estética, mas para os dentistas, dentes perfeitos são uma consequência de uma saúde bucal plena.  Dor de cabeça, dor nas costas, gengivite, cáries, apneia…  A partir das dúvidas dos nossos leitores, selecionamos algumas para checar com especialistas o que é mito e o que é verdade sobre os dentes tortos.

 

 

Dentes mal alinhados podem causar dor de cabeça ou dor de ouvido

 

“A presença de dentes tortos ou a má posição dos dentes pode afetar a articulação temporomandilbular (ATM). Essa articulação fica na frente dos ouvidos e é responsável pelos movimentos mandibulares (abertura, fechamento e mastigação). Um dos fatores que mais protege essa articulação é o encaixe perfeito ou equilibrado dos dentes. Se o funcionamento da ATM estiver prejudicado, pode causar fortes dores de cabeça, enxaqueca e também dores de ouvido. Isso acontece porque a região atrás dessa articulação é muito enervada”, explica a dentista Jacqueline Schneider (CRO-SP: 6626), especialista em Prótese Dentária e Implante pela ABO/CE, da Well Clinic.

 

 

Dor nas costas pode ter origem nos dentes tortos

 

Segundo Jacqueline, “Pacientes com dentes desalinhados podem sim ter dores de coluna e isso estar associado. O corpo humano funciona como uma grande engrenagem e um dos principais eixos do nosso organismo é a articulação tempromandibular,  e o equilíbrio dela está associado ao posicionamento dos dentes e outros fatores. Quando os dentes estão tortos, não estão encaixando de maneira correta, a articulação fica desequilibrada e isso acaba se estendendo por toda a coluna, influencia na postura do paciente e pode estar ocasionando dores na coluna”.

 

 

Dente torto apresenta mais chance de desenvolver gengivite e cáries 

 

Sim, isso acontece porque os dentes mal posicionados apresentam maior dificuldade para serem higienizados e retém mais alimentos. “Uma das principais causas da gengivite é a retenção alimentar que não é removida pelo paciente. Existem situações em que o desalinhamento dental é tão severo que impede uma limpeza de 100% dos restos alimentares, condenando o paciente a uma gengivite eterna”, alerta Mauro Macedo (CRO-PE: 5318), especialista em Estética Bucal e mestre em Ortodontia, Ortopedia dos Maxilares e Implantes, da Clínica Odontológica Dr. Mauro Macedo.

 

 

Respirar pela boca pode provocar o mau alinhamento dos dentes ou da arcada dentária

 

Para Mauro, “o mau posicionamento dos dentes é uma consequência do respirador bucal. O paciente respirador bucal tem como características faciais a protusão maxilar,  desvio de fonação, de glutição, mordida cruzada e o ressecamento de lábios, entre outros”.

 

Sorriso novo requer uso de aparelhos

 

Por tudo que vimos acima, o realinhamento dos dentes não é uma questão restrita para adolescentes, podendo ser realizado por pessoas já na idade adulta. E hoje há uma ampla oferta de opções para quem quiser renovar o sorriso.

 

“A primeira coisa que o profissional irá analisar é se o problema é de origem dentária ou esquelética. No primeiro caso, os problemas são causados pelo mau posicionamento dente; já no segundo, o desalinhamento pode ou não estar ligado a problemas dentários”, conta Mauro.

 

Desalinhamentos de origem dentária poderão ser corrigidos por meio de aparelhos fixos ou móveis. “Esses aparelhos podem ser feitos de várias maneiras: ortodontia convencional, através de aparelhos fixos e a ortodontia através dos alinhadores invisíveis – o paciente usa esse tipo de aparelho removível, extremamente discreto e consegue promover o alinhamento dentário”, avalia  Jacqueline.

 

Já o desalinhamento de origem esquelética irá precisar de aparelhos ortopédicos, de “mascaramento” com aparelhos ortodônticos ou por meio de cirurgias ortognáticas.

 

O tempo para correção do alinhamento irá depender da severidade do caso.  Há casos em que a correção pode ocorrer em um período de até seis meses, mas os mais graves podem levar de dois a três anos.

 

 

Fonte: Saúde Bucal – iG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar